parallax background

O que é o DDT e onde a dedetização ainda é utilizada

Chuva chegando!? Cancele o seu encontro com as Baratas
Parabéns! Hoje é Dia dos Avós compartilhe este dia 26 com a Ponto Limpo

O que é o DDT e onde a dedetização ainda é utilizada

O DDT foi o primeiro pesticida moderno, ele deu o nome da Dedetização ainda muito utilizado por que deseja tratar por Desinsetização, tendo sido largamente usado durante e após a Segunda Guerra Mundial para o combate aos mosquitos vetores de doenças como malária e dengue.

A que seria, qual a possibilidade de trazermos de volta o DDT, recebemos diversos pedidos a meses e, sempre hesitamos em tratarmos sobre o assunto por causa da política em torno de seu uso.

Vamos exemplificar com a história do programa de erradicação da malária fracassado, onde deixaram de fora grandes pedaços da história, e muitos desses pedaços mudam completamente a narrativa.

Especificamente, deixam de fora qualquer discussão séria sobre o papel dos inseticidas e da resistência aos medicamentos antimaláricos.

Em vez de apresentar a história padrão do DDT com a qual a maioria está familiarizada, vamos discutir por que o Programa Global de Erradicação da Malária da OMS falhou, enquanto a campanha dos EUA teve sucesso.

Comparar e contrastar essas histórias é muito produtivo, porque demonstra por que o controle de pragas é realmente difícil.

A História do DDT brevemente contata

Então, vamos começar com a parte da história… O DDT é um produto químico que salvou mais vidas do que qualquer outra substância, com a possível exceção da penicilina. Consideramos que, essa parte é verdade.

Para dar algum contexto de por que isso é verdade, precisamos considerar a situação dos pesticidas na década de 1940. 

Até a década de 1940, substâncias inorgânicas, como clorato de sódio e ácido sulfúrico, ou produtos químicos orgânicos derivados de fontes naturais ainda eram amplamente utilizadas no controle de pragas.

No entanto, alguns pesticidas eram subprodutos da produção de gás de carvão ou outros processos industriais.

Assim, os primeiros orgânicos como nitrofenóis, clorofenóis, creosoto, naftaleno e óleos de petróleo foram usados ​​para pragas de fungos e insetos, enquanto o sulfato de amônio e o arseniato de sódio foram usados ​​como herbicidas.

A desvantagem de muitos desses produtos era suas altas taxas de aplicação, falta de seletividade e fitotoxicidade.

O clorato de sódio e o ácido sulfúrico não são o tipo de coisa que você deseja pulverizar perto de você. Nitrofenol, creosoto e naftaleno também não são muito bons.

Os pesticidas não eram tão tóxicos para os insetos, o que significava que eles tinham que ser muito pulverizados.

Além disso, está o fato de que muitos deles são tóxicos para as plantas. Portanto, os agricultores que os pulverizaram correram o risco de alguma redução na produção por causa disso.

Algumas exceções notáveis ​​a esta lista:

✓ Paris Green, que é um corante verde altamente tóxico que contém arsênico;
✓ Arseniato de chumbo, que contém tanto chumbo e arsênico;
✓ Nicotina e rotenona.

Com a única exceção do piretro, que era muito menos puro do que é hoje, os pesticidas dessa época eram muito ruins para a saúde humana.

O DDT surgiu no mercado e mudou tudo isso. Foi descoberto que era um inseticida em 1939 e tinha toxicidade insignificante para humanos em comparação com muitos pesticidas no mercado na época.

Agora sabemos que pode haver alguns efeitos de longo prazo para a saúde, mas em comparação com a maioria dos outros pesticidas desta lista… foi um grande passo em frente. Ainda é, sem dúvida, mais seguro do que alguns dos pesticidas usados ​​hoje.

O DDT começou a ser usado como inseticida no início da Segunda Guerra Mundial e encontrou seu lar no campo de batalha sendo usado para controlar piolhos e mosquitos.

Os piolhos, eram comuns em campos de refugiados (naquela época e agora), espalham uma doença chamada tifo.

O tifo foi uma das principais causas de morte na Primeira Guerra Mundial, mas o avanço do DDT na Segunda Guerra Mundial nos permitiu eliminar rapidamente as pessoas na linha de frente.

Durante o auge da Segunda Guerra Mundial, uma das primeiras estações de despiolhamento tratava 50.000 pessoas por dia.

A Malária no Brasil e no mundo

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil a malária ainda representa um grave problema de saúde pública para o mundo. Em 2012 houve registro de ocorrência da doença em 104 países e territórios nas regiões tropicais e subtropicais no mundo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que por ano ocorram 219 milhões de novos casos e cerca de 660 mil mortes, principalmente em crianças menores de 5 anos e mulheres grávidas.

No Brasil, a área endêmica compreende a região amazônica brasileira, incluindo os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão, totalizando 808 municípios.

Esta região é responsável por 99% dos casos autóctones do país. Fora da região amazônica, mais de 80% dos casos registrados são importados dos estados pertencentes à municípios localizados na região amazônica brasileira, de outros países amazônicos, do continente africano, ou do Paraguai.

Entretanto, existe transmissão residual de malária no Piauí, no Paraná e em áreas de Mata Atlântica nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Desde 2000, tem havido uma redução de mais de 50% no número de casos de malária no Brasil.

Em 2012, foram detectados cerca de 250 mil casos no Brasil. O número de casos graves
e óbitos também apresentou uma grande redução no mesmo período.

A letalidade por malária na região amazônica é baixa (2/100.000 hab.), enquanto no restante do país chega a ser 100 vezes maior.

O óbito na áreas extra-amazônica ocorre, na maior parte das vezes, em pessoas que foram infectadas em outros países ou em estados da região amazônica e não receberam
diagnóstico e tratamento adequados e em tempo oportuno.

Essa situação decorre da dificuldade na suspeição de uma doença relativamente rara nessas áreas e da desinformação dos viajantes a respeito dos riscos de contrair a doença.

Mesmo na área endêmica, o risco de adoecimento não é homogêneo. Este risco é
medido pela incidência parasitária anual (IPA), calculada pelo número de casos ocorridos
durante o ano em uma determinada área dividido pela população sob risco nesta área e
expresso em casos por mil habitantes.

A IPA serve para classificar as áreas de transmissão em alto (≥50), médio <50 e ≥10 e baixo risco (<10) de acordo com o número de casos por mil habitantes.

A malária está fortemente relacionada à pobreza. No Brasil, 86% dos casos ocorrem em áreas rurais ou indígenas.

Nos seis estados com maior transmissão (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima) do total de municípios prioritários para o Brasil Sem Miséria, devido ao baixo IDH, baixa renda per capita e outros indicadores de pobreza, 48% são também prioritários para malária, ou seja, possuem IPA ≥10.

A malária é uma doença com alto potencial epidêmico, sofrendo variações bruscas de
acordo com variações climáticas e socioambientais, e, principalmente, variações na qualidade e quantidade de intervenções de controle.

A sazonalidade da malária é diferente em cada estado da região amazônica. De forma geral, há um pico sazonal de casos de malária no período de transição entre as estações úmida e seca.

Eliminação da malária nos EUA: 1947-1951

De acordo com Raptor, a malária foi eliminada dos EUA devido ao DDT. É verdade que o DDT desempenhou um grande papel na eliminação da malária, mas isso vem com um asterisco enorme que ele se esqueceu de mencionar.

Portanto, primeiro precisamos discutir a campanha dos EUA para erradicar a malária. Este é um evento muito importante na história dos Estados Unidos, pois esse projeto resultou na formação do CDC.

A pulverização de DDT não começou nos Estados Unidos até 1945. Já em 1947 foi o ano em que a campanha de erradicação da malária começou. Algumas estatísticas informam que o mesmo terminou em 1946, um ano após o início da pulverização de DDT nos Estados Unidos.

Os números parecem terem diminuído muito antes do DDT e mesmo antes do final da Segunda Guerra Mundial.

Embora os números de mortes por malária relatados tenham sido criticados na época por serem relatados em excesso devido a uma mudança na forma como alguns estados relataram esses casos, os números dos testes de esfregaço de sangue geralmente ainda refletem esse padrão.

Se quisermos discutir se o DDT foi o único fator na eliminação da malária nos EUA e no mundo, precisamos examinar a linha do tempo de como a malária diminuiu, e esses números podem ser altos, mas parecem apontar para algumas complexidades.

A maioria das pessoas no programa de eliminação acreditava que a malária estava em declínio antes que o DDT começasse a ser amplamente usado em 1945.

Controle de mosquitos além do DDT

Uma parte importante, foram as campanhas anti-mosquitos que se concentraram na drenagem de criadouros de mosquitos em potencial.

Ao mesmo tempo, as pessoas estavam se mudando para escapar dos tempos econômicos difíceis.

Os historiadores têm ido para trás e para frente sobre se a drenagem ou a emigração desempenhou um papel mais importante no declínio da malária nas partes mais quentes dos países.

Independentemente disso, os programas e a emigração – qualquer que fosse o responsável – desempenharam um grande papel na eliminação da malária.

Também houve campanhas de tratamento que trataram pessoas com malária, embora algumas delas não tenham tido sucesso.

Além de tudo isso, também meio que tivemos sorte em termos de clima e biologia vetorial.

Os principais vetores da malária nos não se alimentam especificamente de humanos, o que os torna péssimos em propagar doenças.

Em termos de clima, na maior parte o inverno nos deu um período em que a malária não estava transmitindo.

Isso deu aos profissionais de saúde pública tempo suficiente para se antecipar aos casos de malária.

Em muitas regiões onde a malária persiste hoje, ela é transmitida por mosquitos que se alimentam especificamente de humanos durante todo o ano.

O DDT foi o que finalmente nos permitiu bater para fora a doença, mas esta breve história mostrou como os hábitos do homem encorajaram a produção [do tipo de mosquitos que propagam a malária] e espalharam a malária em grande parte do mundo.

Além disso, como a mudança de hábitos do homem causou sua retirada para outros estados dos países. Mas, um ataque ativo contra anofelinos teve que ser adicionado.

Anos de trabalhos de controle reduziram constantemente a malária e sem dúvida teriam resultado na eliminação da doença, mas sua eventual data de término não era facilmente previsível.

A razão pela qual não ouvimos falar de malária no Brasil e no mundo é por causa de uma combinação de esforços de saneamento, programas de tratamento, vetores ineficientes, clima, urbanização e mudanças econômicas.

O DDT certamente deu o golpe mortal, mas é incorreto dizer que não temos malária por causa do DDT. Muitos fatores nos permitiram ter sucesso e o DDT foi apenas um deles.

Erradicação Mundial: 1955-1969.

Com base nos sucessos durante a Segunda Guerra Mundial e na campanha bem-sucedida dos EUA, a OMS iniciou sua própria campanha.

Por causa dos bons resultados em outros países (nomeadamente, os EUA), foi promissor no início. No entanto, os cientistas da época não estavam preparados para a complexidade de uma campanha mundial.

O primeiro caso de resistência ao DDT em um vetor da malária ocorreu em 1951, então o programa foi apressado desde o início.

Na época, os cientistas da malária eram especialistas trabalhando na área. A OMS os tirou do campo e os colocou à frente de grandes organizações que anularam suas habilidades.

As pessoas que realizaram a campanha presumiram que sabíamos tudo o que precisávamos saber, de modo que pouca ênfase foi dada aos planos de contingência para problemas locais, como baixa vigilância, resistência a medicamentos antimaláricos e resistência de vetores a pesticidas.

Os programas favoreciam jovens cientistas da malária e excluíam muitos dos especialistas de longa data.

Durante esta campanha, a OMS favoreceu a pulverização interna de DDT e os esforços de saneamento subutilizados … em total contraste com o plano de sucesso dos Estados Unidos.

Muito pouco esforço foi colocado na adesão da comunidade, novamente, em forte contraste com o projeto dos Estados Unidos.

Os problemas emergentes, como a resistência aos medicamentos antimaláricos, foram ignorados.

Em muitos casos o monitoramento e o tratamento pararam assim que a doença foi eliminada de uma área. Isso permitiu que os mosquitos – e, portanto, a doença – se recuperassem com origens genéticas mais resistentes.

Os problemas reais com o programa global de erradicação da malária da OMS são muito mais complexos do que a proibição do DDT.

Houve falhas em toda a diretoria, tanto administrativas quanto técnicas. Muitas dessas falhas resultaram em vigilância deficiente e complacência por vários motivos.

Essa vigilância deficiente e complacência permitiram que a doença se recuperasse, e essa é uma grande parte da razão pela qual a malária ainda exista hoje.

A situação hoje …

O DDT ainda é amplamente usado hoje. Na verdade, seu uso nunca foi embora em muitos países ainda existe a “dedetização”. Pelo menos 4,5 milhões de toneladas do material são produzidos anualmente, a maior parte vindo da Índia e parte da China.

A Coreia do Norte também produz alguns, embora não se saiba o quanto eles realmente exportam.

O DDT ainda pode ser usado para pulverização residual interna pela OMS, e muitos países o usam também para fins agrícolas.

O uso agrícola não é exatamente legal, mas sabemos que o DDT ainda é usado dessa forma… e podemos também reconhecer que os dados existem.

A Índia parece ser a líder nisso, tendo usado 3,4 milhões de toneladas apenas para controle de vetores em 2007… embora seja importante mencionar que muitos países não possuem dados de relatórios precisos.

A Índia ainda tem muitos problemas com a malária, apesar de ser o país que mais usa DDT no mundo (pelo que sabemos).

É quase certo que os números são muito maiores, porque a pobreza galopante que acompanha a malária em todos os lugares que ela vai também faz com que muitas pessoas sofram sem tratamento.

Uma matéria de 2017 no Jornal Rondônia Agora diz que não há mais dúvida de que os profissionais que atuavam em Rondônia, na antiga Sucam, no combate à malária, foram contaminados pelo veneno no link https://www.rondoniagora.com/artigos/a-luta-do-sindsef-para-fazer-justica-as-vitimas-do-ddt .

Portanto, trazer o DDT de volta não será uma solução mágica para a malária ou qualquer doença transmitida pelo mosquito Aedes.

O controle vetorial requer mais do que apenas pulverização residual interna. São necessárias muitas ferramentas complicadas para procurar doenças e matar os mosquitos antes que eles possam picar.

25 de abril é o Dia Mundial da Malária, dedicado para a exploração de algumas das questões relacionadas ao controle de pragas, mesmo em uma área onde o DDT não é comumente usado é muito importante ao lembrar que a malária, mesmo sendo uma doença prevenível e tratável, ainda mata muitas pessoas no mundo inteiro.

A Ponto Limpo Serviços domina as tecnologias mais avançadas no controle de pragas, onde procuramos tratar o meio ambiente sem prejuízo das partes, proporcionando a garantia de segurança para a saúde das pessoas e de seus animais domésticos, assim como na higienização de reservatórios e caixas d’água, sanitização de ambientes e muito mais, consulte-nos.

Ponto Limpo Serviços
Rua Florestina, 555, Araguari, MG
Fone 34 3242-2966 ☆ WhatsApp 34 98868-7168
www.pontolimpo.com 

.

 

Deixe uma resposta

×

Powered by WhatsApp Chat

× Como posso te ajudar?